Notícias de Caruaru e Região

Coluna do Dia – E TEM GENTE QUE SE ACHA… – Por Prof. Mário Disnard.

Física quântica: indicada para casos crônicos de falta de humildade

Professor Mário Disnard
Professor Mário Disnard

Quando se pensa e se faz o trabalho como uma obra poética em vez de sofrimento contumaz, sempre vem a mente a questão do “trabalho digno”, isto é, aqueles ou aquelas que se consideram superiores como seres humanos apenas porque têm um emprego socialmente mais valorizado.

Aliás, é sempre nesses casos que entra em cena o famoso “sabe com quem está falando?”.

Um dia procurei representar uma possível resposta científica a essa arrogante pergunta, e, de forma sintética registrei essa representação em uma citação de um livro meu, agora de forma mais extensa e coloquial, aqui vai esse relato, partindo do nosso lugar maior, o universo, até chegar a nós.

Hoje, em física quântica, não se fala mais um universo, mais em multiverso. A suposição de que exista um único universo não tem mais lugar na Física. A ciência fala em multiverso e que estamos em um dos universos possíveis.

Este tem provavelmente o formato cilíndrico, em função da curvatura do espaço, portanto, ele é finito e tem porta de saída, que são os buracos negros, por onde ele vai minando e se esvaziando. Até 2002, era quase certo que nosso universo fosse cilíndrico, hoje já há alguma suspeita de que talvez não. Mas a teoria ainda não foi derrubada em sua totalidade. Supõe-se que este universo possível em que estamos apareceu há 15 bilhões de anos. Alguns falam em 13 bilhões, outros em 18, mas a hipótese menos implausível no momento é que estamos num universo que apareceu há 15 bilhões de anos, resultante de uma grande explosão, que o cientista inglês Fred Hoyle, de gozação, apelidou de Big Bang, e esse nome pegou.

Qual é a lógica? Há 15 bilhões de anos, é como se pegasse uma mola e fosse apertando, apertando, apertando até o limite, e se amarrasse com uma cordinha. Imagine o que tem ali de matéria concentrada e energia retida! Supostamente ponto adensado, como uma mola apertada e, então, alguém, alguma força Deus, não sei, aqui a discussão é de outra natureza cortou a cordinha. E aí, essa mola, o nosso universo, está em expansão até hoje. E haverá um momento em que ele chegará no máximo da elasticidade e irá encolher outra vez. A ciência já calculou que o encolhimento acontecerá em 12 bilhões de anos. Fiquei tranquilo, até lá você já estará aposentado pelas novas regras.

Você pode cogitar algo que a Física tem como teoria: ele vai encolher e se expandir outra vez. Talvez uma lei do universo em que o movimento da vida é expansão e encolhimento. Como é o nosso pulmão, como bate o nosso coração, com sístole e diástole. Como é o movimento do nosso sexo, que expande e encolhe, seja o masculino seja o feminino. Parece que existe uma lógica nisso, que os orientais, especialmente os chineses e os indianos capturaram em suas religiões, aquela coisa do inspirar e expirar. Parece haver uma lógica nisso, a ciência tem isso como hipótese.

Nesse lugarzinho tem uma coisa chamada VIDA. A ciência calcula que em nosso planeta haja mais de trinta milhões de espécies de vida, mas até agora só classificou por volta de três milhões espécies. Uma delas é a nossa: homo sapiens. Que é uma entre três milhões de espécies já classificadas, que vive num planetinha que gira em torno de uma estrelinha, que é uma entre 250 bilhões de estrelas que compõem uma galáxia, que é uma entre outras 2 trilhões de galáxias num dos universos possíveis e que vai desaparecer?

É por isso que todas as vezes na vida que alguém me perguntar: “Você sabe com quem está falando?”, eu respondo: “Você tem tempo?”.

Sobre o autor:

Professor Mário Disnard possui graduação em história e Gestão em Recursos Humanos. Possui Pós graduação em Gestão do Capital Intelectual e Coordenação Pedagógica. Foi Articulador da EJA da Prefeitura Municipal de Caruaru. Tem experiência na área de Administração. Foi Coordenador do Fórum Estadual de Educação de Jovens e Adultos biênio 2014/2016, Foi vice presidente dos Conselhos Municipais de Assistência Social e Direitos da Criança e do Adolescente de Caruaru. Participou da Construção do Plano Municipal de Educação de Caruaru. Pesquisador em EJA com publicações Nacionais e Internacionais . Em 2020 lançará o livro com a mesma temática do trabalho apresentado em Portugal pela editora Appris.

1 comentário
  1. Maria Auxiliadora Diz

    Ciência, A Ciência, A Ciência, A Ciência… O deus desses diplomados é a tal ciência. Tudo que autor do texto diz exige uma fé descomunal na ciência. Estipular o tempo do começo e do fim da existência é, de cara, uma arrogância suprema. Mas não é por arrogância que o fazem, é porque canalhice mesmo, pois sabem perfeitamente que tudo isto é uma grande mentira. Não a menor condição de se saber que algo existe há 15 bilhões de anos. Muito menos que algo vai deixar de existir daqui a 15 bilhões de anos. Isso é literalmente impossível, daí que para se acreditar nesse tipo de coisa é preciso ter fé, muita fé. Quase tudo que se divulga hoje no campo científico (repassados nas fábricas de diploma), especialmente em física quântica não passa de embustes e mentiras absurdas. Mas, claro, os diplomados jamais serão capazes de perceber isso, posto o que são “diplomados” pelo Deus ciência, a quem devem inteira submissão, reverência e uma fé cega. São comprados para não pensar, apenas repetir o que ouvem como meros papagaios.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.