Notícias de Caruaru e Região

Eleições Municipais de Caruaru em 2020. Apática, sem graça, sem apostas, sem emoção.

João Lyra Neto, Tony Gel e Zé Queiroz
João Lyra Neto, Tony Gel e Zé Queiroz
Do Blog do Magno Martins

 

Sem Clássico das Multidões

Palco de históricas e acirradas disputas eleitorais, envolvendo três grupos com balaios cheios de votos – Zé Queiroz (PDT), Tony Gel (MDB) e João Lyra (PSDB) – Caruaru vive, pela primeira vez nos últimos 50 anos, uma campanha apática, sem graça, sem apostas, sem emoção. Dos três donatários das capitanias eleitorais, com terrenos demarcados pelas cores vermelha, azul e amarela, apenas um está na arena para a guerra: o dos Lyra, apostando na reeleição da prefeita Raquel, herdeira política do cacique do seu grupo, o pai João, que governou a cidade e o Estado.

Diante de cenário com tamanha surpresa, achei bem apropriada para o contexto uma frase do jornalista César Lucena, da Rádio Cultura: “Sem Zé e Tony na campanha em Caruaru é como se a gente vivenciasse um Campeonato Pernambucano de futebol sem Santa Cruz e Sport, só com o Náutico. Não tem graça”, disse ele. Fiquei a matutar. Lucena é cobra criada no jornalismo. Tanto entende de política quanto de futebol. Já cobriu três Copas do Mundo.

Remanescente da vizinha Riacho das Almas, professor de carreira, na tribuna da Cultura Lucena dá, todos os dias, seus pitacos, empareda vendedores de ilusão com conhecimento de causa da cultura política da terra do mestre Vitalino. Ex-prefeitos testados nas urnas e aprovados pela população, Zé e Tony foram protagonistas de grandes embates eleitorais, em campos opostos, um enfrentando o outro, em campanhas que o sangue jorrava pelas canelas.

Hoje, nenhum está no ringue. Teoricamente, o destino os uniu, pela primeira vez, no palanque do socialista Marcelo Gomes, porque a pandemia do coronavírus atrapalhou os planos de Zé entrar na disputa e uma enfermidade, por sua vez, levou Tony a penduras as chuteiras, pelo menos nas eleições deste ano. Resultado: Caruaru ficou, na política, sem o seu Clássico das Multidões, legenda dada ao duelo dos gigantes do futebol, Santa X Sport, que leva a galera ao delírio.

Candidata à reeleição, Raquel havia montado uma estratégia com o cenário de Zé ou Tony como adversário. No apagar do prazo de registro das chapas, nem um nem outro se armou para a guerra. A tucana refez os planos. Sentindo-se ampla favorita, não vai a debates com Marcelo (PSB), Raffiê Dellon (PSD), Erick Lessa, o delegado (PP), e o petista Marcelo Rodrigues. Nem tampouco participa de entrevistas, algo inédito no mapa nacional de eleição.

Ela pode até estar cumprindo à risca o figurino dos seus marqueteiros, mas diferente do peru, que morre de véspera para ser devorado no Natal, eleição se resolve no dia, é uma caixinha de surpresas. À propósito, em um blog local, o jornalista Américo Rodrigo adverte a prefeita para um exemplo que vem de dentro da sua casa: em 2004, João Lyra, o pai dela, perdeu a eleição aos 45 minutos do segundo tempo, já quase na prorrogação, para Tony Gel, porque esqueceu de fazer campanha, achando que estava eleito.

Vale repetir Agamenon Magalhães: a ilusão da política é pior do que a do amor.

2 Comentários
  1. JONATHAN Diz

    Quem foi amador que escreveu esse lixo de texto?

  2. Yuri Diz

    E é por causa dessa visão POBRE sobre política e democracia que estamos no país onde uma pessoa como BOLSONARO nos representa. Péssima análise.”Sem Zé e Tony na campanha em Caruaru é como se a gente vivenciasse um Campeonato Pernambucano de futebol sem Santa Cruz e Sport, só com o Náutico. Não tem graça”. Esse comentário representa a visão retrógrada e distorcida dos meios de comunicação locais 🤢🤮

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.