Notícias de Caruaru e Região

A diferença de se fazer politica entre a esquerda e a direita em disputas eleitorais

Eduardo Campos - primeira eleição para governador
Eduardo Campos – primeira eleição para governador
Por Edmar Lyra

 

O ano de 2020 marca quatorze anos de uma eleição histórica em Pernambuco, quando Eduardo Campos foi eleito governador, derrotando o então candidato à reeleição Mendonça Filho por uma diferença de mais de um milhão de votos. Naquela disputa, Humberto Costa era o líder nas pesquisas empatado tecnicamente com o candidato do PFL, enquanto Eduardo Campos era o terceiro colocado, até que um escândalo atrapalhou Humberto Costa, exaustivamente utilizado por Mendonça em seu guia e fez com que o candidato do PSB tivesse 33,81% dos votos válidos contra 25,14% do petista e chegasse ao segundo turno.

Na segunda etapa, Humberto declarou voto a Eduardo e fez a campanha como se fosse dele, permitindo uma mudança no cenário político de Pernambuco que até hoje se faz presente. O gesto altruísta de Humberto foi um diferencial naquele pleito e que merece reconhecimento histórico.

Diferentemente daquele ano, onde a esquerda se uniu e impôs uma derrota antológica ao candidato Mendonça Filho, em 2020 a direita faz exatamente o oposto na disputa pela prefeitura do Recife. Com o crescimento da Delegada Patrícia (Podemos), esperava-se que PT e PSB partissem para o ataque contra a candidata, que encontra-se no espectro de centro-direita, porém petistas e socialistas não precisaram se dar ao trabalho de desconstruir a candidata do Podemos, porque Mendonça Filho, insatisfeito com o crescimento da delegada, decidiu fazer a desconstrução em seu guia, e ajudando a fortalecer a polarização entre João Campos e Marília Arraes, atestada em diversas pesquisas eleitorais.

Quando se enxerga uma hegemonia de dezesseis anos do PSB no âmbito estadual e de vinte anos de PT e PSB na capital pernambucana com chances cada vez mais reais de se repetir em 2020, é preciso recorrer à postura da direita que é autofágica e que não aceita que um nome do seu próprio campo seja vitorioso para não perder o protagonismo na oposição. O belo gesto de Humberto em 2006, que foi fundamental para a Frente Popular sagrar-se vitoriosa, não deve ser repetido pela oposição este ano, que corre um sério risco de pela segunda vez seguida assistir de camarote a um segundo turno entre PT e PSB no Recife.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.