Notícias de Caruaru e Região

Fantasmas do passado: a presentificação da dor emocional – Por Soraya Rodrigues de Aragão

Soraya Rodrigues de Aragão, CRP 11- 06853
Soraya Rodrigues de Aragão, CRP 11- 06853

Indivíduos que desenvolveram algum trauma, apresentam bloqueios emocionais, onde a marca principal é o aprisionamento de memórias dolorosas, impedindo a presentificação da vida e conseqüentemente repercutindo na saúde psicofísica do indivíduo. Em outras palavras, no trauma, a experiência é bloqueada, sendo vivenciada e presentificada recorrentemente de forma intrusiva no cotidiano da pessoa, como se o evento tivesse ocorrido naquele mesmo dia, com toda a carga psicossomática, vivendo o indivíduo preso em uma armadilha dos fantasmas de suas vivências mal elaboradas.

A revivescência do trauma é a própria presentificação da dor visceral e lancinante.

Por este motivo, ressalto a importância do reprocessamento dos conflitos internos e dores emocionais através da reorganização de um sentido destas memórias aflitivas e emoções disfuncionais, objetivando reconquistar a homeostase psíquica, a reorganização do ser, a reestruturação cognitiva do trauma objetivando a dessensibilização e ressignificação destas dores emocionais. A importância da ressignificação consiste em observar e sentir o acontecimento traumático de um outro ponto de vista, de uma outra perspectiva através de um trabalho psicoterapêutico.

Há dois tipos de traumas emocionais: aquele pontual, mas devastador. Contudo, tem outro tipo de trauma que, embora de pouca intensidade, vai se sedimentando pouco a pouco e resultando na formação de uma lesão emocional profunda resultante de situações estressógenas sobrepostas e mal elaboradas dia após dia, mesmo sem que haja a percepção deste fato.

Não importando o tipo de trauma, o trabalho psicoterapêutico, através de suas técnicas transforma a areia da concha em pérola, aproveitando uma experiência de sofrimento devastador em fortalecimento da autoestima,na promoção do autodesenvolvimento e no fortalecimento da resiliência para que nos tornemos mais preparados diante das adversidades da vida.

Trabalhar a dor não é uma tarefa fácil. No entanto, este processo libera dores presentificadas e resistências, exorciza fantasmas, tornando-nos mais conscientes de nossa capacidade de superação e fortaleza.

 

Soraya-Banner Rodapé da Coluna

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.