Notícias de Caruaru e Região

CÂNCER DO ENDOMÉTRIO – Doença que afetou Fátima Bernardes – Você sabe o que é?

Fátima Bernardes
Fátima Bernardes

Aos 58 anos, Fátima descobriu um câncer do endométrio, parte interna do útero. A apresentadora passou por cirurgia neste domingo (6) e está bem, de acordo com a equipe médica.

“Existem três tipos de câncer de útero: de colo de útero, de endométrio e do corpo do útero, que é bem mais raro. Já o de colo de útero é o terceiro mais comum entre as mulheres”, diz a ginecologista Camila Ramos. (@dracamilaramos).

O câncer de endométrio é um dos tumores ginecológicos mais frequentes. Acomete principalmente mulheres após a menopausa, em geral acima dos 50 anos. Apenas 20%, ou menos, das mulheres com câncer de endométrio estão na fase de pré-menopausa. Menos de 5% estão abaixo dos 40 anos de idade. O câncer de endométrio é um tumor altamente curável na maioria das mulheres. Para entender mais, a ginecologista carioca Dra. Camila Ramos respondeu algumas perguntas para esclarecer as principais dúvidas sobre este tipo de câncer.

QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS SINAIS E SINTOMAS DO CÂNCER DO ENDOMÉTRIO?

O principal sintoma é um sangramento vaginal fora do período menstrual. Cerca de 90% das pacientes diagnosticadas com câncer de endométrio tem sangramento vaginal, como sangramento mais intenso que o normal ou após a menopausa. Esse sintoma também pode ocorrer em algumas condições não cancerígenas, mas é importante consultar imediatamente um médico sempre que tiver qualquer sangramento irregular. Se você já passou a menopausa, é importante relatar qualquer sangramento vaginal, mancha ou corrimento anormal ao seu médico. O corrimento vaginal sem sangue também pode ser um sinal de câncer de endométrio. Mesmo que você não possa ver o sangue, não significa que não exista a doença. Em cerca de 10% dos casos, o corrimento associado ao câncer de endométrio não tem sangue. Qualquer corrimento anormal deve ser relatado ao seu médico.

Dor pélvica, perda de peso, dor na pelve, massa anormal na pelve e perda de peso também podem ser sintomas de câncer de endométrio. Estes sintomas são mais comuns em fases mais avançadas da doença. Ainda assim, qualquer atraso em procurar ajuda médica pode permitir que a doença progrida ainda mais, diminuindo as chances de sucesso no tratamento.

QUAIS SÃO AS CAUSAS?

Em mulheres que menstruam, o endométrio engrossa a cada mês, em preparação para a gravidez. Se a mulher não engravida, o revestimento endometrial é derramado durante o período menstrual. Após a menopausa, quando os períodos menstruais param, o revestimento endometrial normalmente deixa de crescer, mas em mulheres com câncer de endométrio, o revestimento do útero se desenvolve com células anormais.

A exata causa e origem do problema ainda é desconhecida. O que se sabe é que há uma mutação genética no interior das células no endométrio que transforma as células saudáveis normais em células anormais. Essas células anormais se multiplicam descontroladamente formando uma massa (tumor). As células cancerosas invadem os tecidos adjacentes, o que pode fazer com que elas se espalhem para outras partes do corpo (metástase).

QUAIS SÃO OS FATORES DE RISCOS QUE PODEM OCASIONAR A DOENÇA?

O principal fator de risco para o câncer de endométrio é a exposição a longo prazo ao estrogênio, produzido pelo próprio organismo ou recebido em forma de terapia hormonal. Outros fatores incluem menstruação precoce, menopausa tardia, nunca ter engravidado, diabetes, sedentarismo, síndrome do ovário policístico, hipertensão, dieta com alta carga glicêmica, estar fazendo ou ter feito terapia hormonal com estrogênio, histórico de câncer na região do útero na família. Além disso, mulheres com obesidade também são mais propensas a desenvolver carcinoma endometrial. Uma explicação para esse fator é que elas apresentam elevados níveis de estrogênio endógeno, devido à produção hormonal acontecer no tecido gorduroso.

COMO FUNCIONA O TRATAMENTO PARA ESTE TIPO DE CÂNCER?

O tratamento dependerá das características do câncer de endométrio e da saúde da mulher, assim como das suas preferências. Faz parte do tratamento a cirurgia com remoção do útero (histerectomia) e retirada dos ovários e trompas. Um oncologista deve trabalhar em conjunto com o oncoginecologista para, a depender do estágio da doença, indicar os devidos tratamentos quimioterápicos.

HÁ MÉTODOS PREVENTIVOS?

A única forma de prevenir o câncer de endométrio é combatendo os fatores de risco, como a obesidade, mantendo uma vida saudável. Para isso mantenha a pressão arterial e o diabetes sob controle, dentro dos níveis de normalidade; tenha uma alimentação equilibrada e com menor quantidade de sódio e açúcar; pratique atividades físicas regularmente; se fuma, deixe de fumar; controle o consumo de álcool.

EXISTE MAIS DE UM TIPO DE CÃNCER DE ENDOMÉTRIO?

Há diversos subtipos de câncer de endométrio, sendo que o mais comum é o adenocarcinoma endometrioide. Ele apresenta um resultado de tratamento mais favorável por ser diagnosticado normalmente em estágio inicial, isso porque ele causa sangramento uterino anormal.

Hoje já é possível se consultar com Dra. Camila Ramos (@dracamilaramos) a distância. Marcações de consulta via telefone (21) 3400-8200.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.