Notícias de Caruaru e Região

O caso da agressão em Palmares e a falta de respeito com a polícia

Quem não gosta de polícia é bandido
Quem não gosta de polícia é bandido

Deu no blog do Magno Martins que a Ordem dos Advogados do Brasil em Pernambuco procurou o Ministério Público do Estado (MPPE), hoje, para pedir providências sobre uma denúncia envolvendo violência policial em Palmares. O caso teria ocorrido na noite de ontem em uma praça próxima à Igreja de São José.

O blog do Magno teve acesso a um vídeo (reproduzimos abaixo) que mostra dois policiais militares agredindo um jovem com tapas no rosto. Em ofício, o presidente da subseção da OAB/PE em Palmares, Silvio Romero de Vasconcellos Junior, cobra que o MPPE intervenha com urgência na situação.

“Este fato chegou ao nosso conhecimento esta manhã e, nos causa arrepio, uma vez que se trata de uma atitude covarde e sem qualquer necessidade, praticada por agentes responsáveis pela segurança pública em nosso Estado. Toda sociedade está indignada em assistir às agressões registradas na Praça recém inaugurada pela Prefeitura”, escreveu no documento enviado ao Ministério Público.

“Alguns jovens/adolescentes foram espancados por policiais militares, diante de dezenas de pessoas que estavam presentes. Esta Praça é frequentada por famílias, crianças, jovens, idosos e representa a realização de um sonho antigo desta comunidade. O bairro de São José em Palmares é um dos melhores lugares para se morar, onde, inclusive, está localizada a sede do Ministério Público. Não há qualquer explicação para a prática desses atos violentos neste local ou em qualquer outro de nossa cidade”, prosseguiu Silvio Romero.

O outro lado da moeda

De acordo com o 10º Batalhão da Polícia Militar de Pernambuco, responsável pelo patrulhamento em Palmares, que se pronunciou sobre a denúncia de violência policial contra jovens em uma praça da cidade, a justificativa dos PMs envolvidos foi que foram atender a uma ocorrência de perturbação ao sossego no local. “Com a chegada dos policiais e a determinação que o som fosse baixado, vários jovens passaram a gritar de forma generalizada e a proferir palavras de baixo calão contra o efetivo”. A PMPE afirma, ainda, que vai apurar o caso, considerado “fato isolado.

Leia a nota na íntegra:

No início deste domingo 27/12/20, por volta das 00h15, a CENTRAL/10°BPM empenhou a equipe para a Praça da COHAB-1, PALMARES, em virtude de várias ligações com denúncias relatando bagunça, som alto e perturbação do sossego no local. Com a chegada dos policiais e a determinação que o som fosse baixado, vários jovens passaram a gritar de forma generalizada e a proferir palavras de baixo calão contra o efetivo. Após várias abordagens a situação foi controlada, todavia um Boletim de Ocorrência Policial foi elaborado, de n° M – 11814458/2020.

Diuturnamente vários homicídios, roubos, furtos, violência doméstica, sexual, perturbação do sossego etc foram evitados e coibidos com sucesso, em respeito aos preceitos legais, com policiais arriscando vossas vidas, alguns feridos, na busca da paz social.

A postura dos policiais militares durante a abordagem no vídeo que circula não é padrão do 10°BPM, apresenta-se como um fato isolado e será devidamente apurado pelo Comando do Batalhão.

TC PM GEOVANI

Cmt 10°BPM

A polícia, para  ter uma atitude dessa, com certeza foi afrontada e desacatada, e tem gente que é ousado, não respeita ninguém. Mas polícia ainda é autoridade, tem que ser respeitada.

Como é que a PM foi atender a uma ocorrência de perturbação ao sossego, no local, e “com a chegada dos policiais e a determinação que o som fosse baixado, vários jovens passam a gritar de forma generalizada e a proferir palavras de baixo calão contra o efetivo”? Pra quê receber a polícia dessa forma? Eles, apenas, estão fazendo o seu trabalho.

A polícia está ali trabalhando para sustentar suas famílias, arriscando suas vidas, na busca da paz social. Aí vem um bando de jovens gritando, debochando da ação policial. Como se os homens da lei estivessem ali servindo-se de palhaço para coletividade.

E ainda querem que eles tenham “sangue de barata” e fique inerte? Servindo-se de chacota? Ajude a polícia a ajudar você. Coopere com a ação policial. Pois só não gosta da polícia quem é bandido. E nenhum, dos que estavam ali, são  fora da lei.

Durma com uma bronca dessa.

2 Comentários
  1. Ailton Lucena Diz

    Quem escreveu esse texto mal redigido? Nem parece reportagem, mas um defesa mal feita da polícia. Aliás, uma defesa feita com base na nota da Pm. Sem ouvir o outro lado.

  2. Jairo Diz

    Como pode alguém com esse conhecimento da língua portuguesa ter espaço em um site com credibilidade na região. O texto é mal escrito, contém erros básicos de concordância e, principalmente, é intelectualmente desonesto para dizer o mínimo. A polícia não tem que bater em quem faz chacota. Ainda vigora no país a lei de desacato. Apesar de ser uma lei arbitrária e retrógrada ainda vale. Detém os que desacatarem, mas o uso da violência não está nos manuais de polícia de nenhum órgão militar de nenhum país civilizado. Esse tipo de pensamento contribui não para diminuir a criminalidade mas sim para aumentá-la.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.