Notícias de Caruaru e Região

Crônica do Dia – Transmutação – Por Nádia Coldebella

Nádia Coldebella
Nádia Coldebella – escritora e artista plástico

– Conto e reconto essa história mil vezes para mim mesma, dizia ela, imersa na profundidade de seus botões. Eu acordo com o peito contorcendo em um sentimento quente, pesado e dolorido. Talvez seja angústia, talvez seja ansiedade. É um misto de dor e expectativa, uma expectativa de algo iminente que não quero que aconteça. Acontece. Porém, na maior parte das vezes não acontece nada.

– Isso é bom, não é? – Ela escutou alguém falando e olhou pros lados, mas não tinha ninguém. Seria de dentro de sua cabeça?

– Bom? – Fez de conta que era tudo muito natural. Estava vivendo uma vida surreal dentro e fora de casa, então, porque uma vozinha de um interlocutor desconhecido iria assustá-la? – Bom é questão de ponto de vista, isso eu posso te afirmar. – Ela deu um profundo suspiro. – Quando acontece alguma coisa, esse sentimento quente, pesado e dolorido se transmuta. Ele fica mais pesado, mais dolorido. Vira uma agulha afiada no peito. Confesso que fico muito mal. Quando não acontece, o sentimento fica ali, dia após dia, no vazio do nada que não acontece, esperando algum momento. Ele fica, entende. Não é que eu quero que aconteça, eu quero que não aconteça, mas também não quero essa pedra queimando em mim…

Ela esperou um pouco, pra ver se outra pergunta se formava, mas ninguém perguntou mais nada. Ai, aos poucos, foi sentindo um grande peso. Provavelmente estou entrando de volta no meu corpo, pensou, despertando vagarosa e dolorosamente. E antes de abrir os olhos, entendeu que aquele diálogo improvável acontecia dentro de sua cabeça.

Ela abriu os olhos e ficou para se observar. Fazia dois dias que o sentimento pesado, quente e dolorido estava machucando seu peito. Ele levou uns segundos até aparecer hoje de manhã, mas estava lá, firme, batendo cartão. Hoje mais forte que ontem, ontem mais forte que antes de ontem. Ele esperava, como um verme pronto para devorar um cadáver em decomposição. Ele esperava acontecer, mas ontem e antes de ontem, nada.

Mas hoje sim, hoje era domingo de manhã, ela podia ficar um pouco mais na cama. O marido foi quem levantou para fazer o café e ela ficou ali, observando, sentindo o sentimento corroer o seu peito. A expectativa. A maldita e desnecessária expectativa, quente, dura e certa.

A menina entrou no quarto confusa. Ela disse: Deita aqui, meu amor, perto da mamãe. E com a criança do lado, o sentimento afrouxou, foi embora por uns segundos, e ela pôs-se a conversar animadamente com a filha. Mas curvou-se para o lado um pouco e ao fazer a pergunta, não obteve resposta. Antes de virar, já sabia.

Olhou para a criança, que se desconectara completamente. Só o corpo estava ali, a consciência dela não. A consciência dela está bem longe daqui, dissera a médica. E durante os minutos que se seguiram, ela entendeu que o sentimento duro, quente, pesado, não tinha afrouxado. Ele estava transmutando-se, igual uma larva que se transmuta em uma mariposa horrorosa, porque enquanto a menina tinha a crise, ele ressurgia, como uma faca de mil pontas, afiada e cortante, perfurando o coração.

.

A criança permaneceu na inconsciência, cinco, dez minutos. Foi voltando aos poucos, queria tomar café. Enquanto a menina levantava-se a mãe sentou na cama. Ficou ali, olhos fixos no nada. Uma profunda lentidão tomou conta dos seus movimentos, e, quando o sentimento fincou os espinhos penetrantes em sua carne, quando ele sufocou sua garganta e enfiou as garras em cada músculo do seu corpo, ela não reagiu. Sentia-se muito cansada, mas nada pensou, apenas disse.

– Estou oca.

 

Sobre a autora :

Nádia Coldebella é paranaense de espírito, corpo e coração. Formada em Psicologia pela Universidade Estadual de Maringá e mestra em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, já fez um pouco de tudo dentro da área de Psicologia: atuou como psicóloga clínica, professora universitária, psicóloga organizacional e palestrante. Atualmente, é servidora pública, atuando como psicóloga judiciária. Escreve, desenha e pinta desde a infância e é na arte que reside sua alegria. Gosta de escrever sobre a vida, os dramas e os conflitos dos corações humanos. Também gosta de um pouco de sarcasmo em suas histórias. É mulher trabalhadora, esposa e mãe e como outras tantas nesse mundo, sonha em construir um mundo melhor, mais equilibrado e sensato, um lugar em que suas filhas possam sentir-se livres para ser aquilo que vieram ser.

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.