Notícias de Caruaru e Região

Histórias do meu pai: Marrecos, pinga e outros costumes bárbaros – Por Nádia Coldebella

Nádia Coldebella
Nádia Coldebella – escritora e artista plástico

Vou me aventurar hoje numa área que não é a minha, a da contação de histórias. Uma história que meu pai me contou. Um “causo”, como diriam os mineiros, só que este é legitimamente aqui do Sul. Portanto, queridos leitores, deixo claro que não sou autora desta façanha que aqui descrevo, mas a surripio com todo o respeito, dando uma floreadinha aqui e ali, pra deixá-la mais literária.

Quando meu pai era criança, residia no interior do Rio Grande do Sul, na serra gaúcha. Ele provém de família de agricultores descendentes de italianos e é de uma época em que tudo, absolutamente tudo, era produzido na pequena propriedade da família. Dos produtos de necessidade pessoal, como roupas e sabão, à comida e bebida – especialmente a bebida.

Eu não bebo. Desde que esqueci meu próprio nome por alguns segundos depois de tomar uma batidinha de maracujá bem docinha, deixei dessas coisas. Só que isso não vem ao caso, não adianta perguntar. O fato é que, logo depois disso, herdei da italiana que adora vinho, um medo patológico de me tornar uma bebum. É que eu li, certa vez, que eu, como neta de senhores respeitosos que vez ou outra entornavam o caneco, tenho oitenta por cento a mais de chance de entornar o caneco também.

Hoje em dia, sei apenas distinguir as bebidas da forma mais genérica possível, baseada apenas na minha impressão passada: a categoria da cerveja (o chopp entra junto, na minha classificação), a dos vinhos (o vermelho e o branco, o doce e o amargo), a da bebida doce (batidinhas e uma vermelhinha) e a da bebida fedida, de alto teor alcoólico, que tem, como sua maior representante, a pinga.

Pois bem, essa história envolve pinga, que você também pode chamar de cana, bagaceira, cachaça, aguardente, gota, gole, branquinha, terebentina, veneno, mata-bicho, abrideira, remédio, marvada, cátia, cajibrina, mé, branquinha. E envolve marrecos, um tipo de pato um pouco mais desajeitado.Um pato que parece ter nascido bêbado.

Como eu estava dizendo, meu pai morava em um sítio e lá produziam tudo o que consumiam. Preferiam produzir vinho, mas o vizinho de propriedade, que vou chamar de Neno, produzia pinga. Esta começava a ser fabricada na entrada do inverno, a partir da fermentação da cana e de outras coisas que não faço ideia do que eram, mas que funcionavam muito bem. A pinga tinha a função, além de embebedar os varões da família, de produzir um pouco de calor nos corpos gelados pelo frio.

Era também na entrada do inverno que os marrecos do vizinho, que já eram algumas dezenas, eram parcialmente depenados – meu pai me garantiu que eles ficavam vivos. Este costume, que é bárbaro para mim, porque envolve sofrimento animal, garantia a produção de cobertores, colchões e travesseiros que aqueciam as famílias nada abastadas, quando o frio resolvia virar gelo na serra gaúcha.

Em um final de tarde em que o congelamento já dava o ar da graça, a vizinha, que vou chamar de Nena, abriu o barril, o recôndito sagrado em que a pinga repousava. Ela deu uma provadinha ou duas (ou três, porque depois do segundo gole ela deve ter perdido a conta) na esquenta-corpo, só para garantir a qualidade do produto. O produto era muito bom mesmo, Nena conferiu várias vezes, e se afastou cantarolando, esquecendo o barril aberto.

No outro dia, acordou bem cedo, como sempre antes do marido, para cuidar das coisas do sítio. Deparou-se com a mais assustadora das imagens que já poderia ter se deparado naquele lugar em que nada acontecia: todos os marrecos estavam estirados na relva em frente a casa, mortos. Ela se aproximou e torceu o nariz. As aves cheiravam a álcool e Nena correu até o barril para conferir o que já sabia. Os malditos pássaros passaram a noite bebendo a marvada e, como resultado, tiveram uma morte bem alcoólica.

Sem ter o que fazer, Nena chamou o marido. Neno também não tinha o que fazer, então decidiram depenar as aves e guardar as penas, pois logo logo o inverno daria as caras por lá, com todo o seu rigor. E foi assim que os marrecos, além de mortos pela pinga da Nena, perderam, post-mortem, todas as suas penas.

Com ajuda dos treze filhos (não havia televisão por aquelas bandas), Nena e Neno recolheram os corpos da marrecaiada e levaram até uma área baldia, em meio a lavoura. Naquela época, como disse meu pai, eles não costumavam enterrar os animais mortos. Deixavam assim, a céu aberto, para a natureza fazer o trabalho. Esbravejei com ele, dizendo que, além de ser outro costume bárbaro, era completamente desprovido de higiene. Mas ele me garantiu, fazendo um ar de mistério, que era necessário que assim fosse.

O casal e os filhos voltaram para casa, muito tristes. Estavam arrasados com a perda. Não sabiam como recuperar a pinga antes da entrada do inverno. E assim passaram a manhã, consternadíssimos.

Por volta das dez horas, quando Nena já começava a fazer a polenta para o almoço, foi atraída por uma barulheira que vinha de fora da casa. Viu Neno correndo atrás de dezenas de aves que, de asas abertas, pareciam ensandecidas, trombando umas nas outras.

Neno e Nena não acreditavam no que viam. Pensaram em se tratar de almas depenadas. Ou que os marrecos, pelados, haviam ressuscitado. Mas a verdade era mais dura: as aves não estavam mortas, estavam bêbadas. E depois de o porre passar, correram de volta para o sítio. Rodearam o barril e grasnaram, alto, em protesto. Não se importavam com o corpo desnudo. Estavam decepcionadas por encontrar o sacro átrio da pinga vazio.

Termino por aqui, declarando minha empatia pela (des)penosa condição marrequina e esperando por novas-antigas histórias contadas por meu pai.

Sobre a autora :

Nádia Coldebella é paranaense de espírito, corpo e coração. Formada em Psicologia pela Universidade Estadual de Maringá e mestra em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, já fez um pouco de tudo dentro da área de Psicologia: atuou como psicóloga clínica, professora universitária, psicóloga organizacional e palestrante. Atualmente, é servidora pública, atuando como psicóloga judiciária. Escreve, desenha e pinta desde a infância e é na arte que reside sua alegria. Gosta de escrever sobre a vida, os dramas e os conflitos dos corações humanos. Também gosta de um pouco de sarcasmo em suas histórias. É mulher trabalhadora, esposa e mãe e como outras tantas nesse mundo, sonha em construir um mundo melhor, mais equilibrado e sensato, um lugar em que suas filhas possam sentir-se livres para ser aquilo que vieram ser.

 

1 comentário
  1. branco Diz

    que coisa mais leve para se ler, um lado tragicômico que muito bom, melhor atė que excelente.
    um adendo. teoricamente sabe muito de pinga está autora, fiquei na dúvida.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.