Notícias de Caruaru e Região

EM PONTO DE MUTAÇÃO: É INDISPENSÁVEL A MUDANÇA. Por prof. Levy Brandão

Professor Levy Brandão.
Professor Levy Brandão.

A modernidade que por muito se manteve em bases paradigmáticas sólidas atualmente sofre sem conseguir visualizar um futuro certo para a humanidade. Inúmeras dúvidas ocupam a academia em suas múltiplas áreas, políticos, cidadãos de todo o mundo, as incertezas que se estabelecem na contemporaneidade, muitas que são frutos de escolhas errôneas feitas por nós humanos, são enormes e crescem mais e mais a cada dia.

É um momento de mudança para as nossas mentes, para o nosso jeito de ser, é necessário que isso seja percebido, que realmente esteja presente na nossa práxis cotidiana, que utilizemos nosso olhar de uma forma diferenciada, ampliada, percebendo que somos híbridos e precisamos superar os limites que nos impomos ao longo dos tempos, superar mecanicismos, superar objetividades limitadas, positivismos ultrapassados, é fundamental uma visão holística das coisas, entendermos que fazemos parte do todo que é a vida, a Terra, a sociedade, enfim, do todo.

A atualidade exige de nós que não estratifiquemos mais os saberes, pois assim há uma possibilidade maior de conseguirmos direcionar nossas mutações por um caminho que ainda não foi seguido, ou pelo menos, não o foi pelas sociedades ditas como civilizadas, as que evocaram para si onisciência, onipresença e onipotência.

São muitas as questões que povoam as nossas mentes, mas elas não serão respondidos satisfatoriamente se não percebermos que é necessário integrarmos a Ciência, a Filosofia e a Religiosidade – não necessariamente nessa ordem – se não estivermos abertos para as novas possibilidades que “clamam por aceitação”, se não enxergarmos que chegamos a um ponto de mutação.

A vida surge a partir de interações, de trocas energéticas em todos os níveis: das partículas, átomos, moléculas, células, organismos, entre espécies diferentes, sociedades, das partes com o todo e do todo com cada uma das partes. O que justifica sem dúvidas uma postura que se identifique com o chamado holismo.

Entender o que foi descoberto e assumir tal postura provavelmente colocaria em cheque as nossas formas de ser, que paradoxalmente ao fato de ter a vida em sua genesis a interação, desenvolveu-se em princípios individualistas, que culminaram em guerras, na pobreza, na degradação ambiental, na extinção de espécies – talvez futuramente na nossa extinção – em problemas tantos que fica difícil de elencar, inúmeras verdades inconvenientes que saltam às vistas de todos, mas infelizmente há quem teima e mantém seu os olhos, ouvidos, a mente fechados e seguem fazendo de conta que nada está acontecendo, capazes de elevar ao máximo a hipocrisia, no mínimo a alienação e afirmar que nada, absolutamente nada mudou, que não há problemas.

É totalmente necessária uma revolução da consciência humana, pois indiscutivelmente são estes que ditam o rumo da vida no planeta, que já dá seus passos para a insustentabilidade, que agoniza e quase morre. Somente aceitando que os tempos contemporâneos exigem outra forma de humanos é que estes, nós poderemos mudar de modo que não permaneçamos como organismos que apenas consomem as energias vitais da Terra e até de nós mesmos.

As crises perpassam todas as instâncias da vida, no ponto de mutação devemos caminhar para transformarmos o nosso todo, aproveitar o que de incrível desenvolvemos, um mundo interconectado, tecnologias fantásticas e criar um novo modelo de humanidade, para além do capital, para além dos paradigmas tradicionais, pautados em outra perspectiva de humano e assim reavivar a vida.

O caminho é por deveras complexo. É preciso uma revolução ontológica no ser humano… e inevitavelmente, inconvenientemente surge mais uma dúvida: Será que é possível?

 

 

 

[su_box title=” Sobre o autor :” box_color=”#12a675″]

Levy Brandão é Sociólogo e Educador, Mestre em Sociologia, com especializações na área da Educação e Bacharel em Ciências Sociais. É professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas – IFAL desde 2014. Atua na docência há alguns anos, tanto na Educação Básica como na Educação Superior. Também é Palestrante e Consultor na área da Educação. Instagram: @sociologianacabeca[/su_box]

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.