Notícias de Caruaru e Região

Clube do Filme: Premiados da 45ª Mostra Internacional de Cinema de SP – Por Mary Queiroz

Confira os filmes premiados na Mostra e quais serão reprisados até domingo (07) de novembro

Mary Queiroz
Mary Queiroz

 

A Mostra Internacional de Cinema em São Paulo realizou a cerimônia de encerramento de sua 45ª edição na noite da quarta-feira, 03 de novembro, no Vale do Anhangabaú, embaixo do Viaduto do Chá. O júri formado pelos cineastas Beatriz Seigner, Carla Caffé e Joel Zito Araújo premiou o longa “Clara Sola” como melhor filme da competição internacional. Aliás, os filmes finalistas da seção Competição Novos Diretores são os mais votados pelo público, que, em seguida, são assistidos pelo júri oficial. Além de “Clara Sola”, o júri premiou Wendy Chinchilla Araya (Clara Sola) como melhor atriz e Yuriy Borisov (Compartment nº 6) como melhor ator, além de concederem Menção Honrosa a “Pequena Palestina, Diário de um Cerco”. Outras obras foram escolhidas pelo público e pela crítica brasileira. Os filmes receberam o Troféu Bandeira Paulista (uma criação da artista plástica Tomie Ohtake).

 

O Prêmio Leon Cakoff foi entregue à atriz, diretora e produtora baiana Helena Ignez. A cerimônia foi apresentada por Renata de Almeida e por Serginho Groisman, e contou com a presença dos brasileiros premiados e de personalidades do meio cultural.

 

Confira a lista completa dos títulos premiados na 45ª Mostra:

 

PRÊMIO DO JÚRI INTERNACIONAL

 

Clara Sola, de Nathalie Álvarez Mesén

 

PRÊMIO PROJETO PARADISO

 

Todos os diretores que tiveram títulos selecionados para a Mostra Brasil poderiam inscrever um novo projeto para concorrer a um prêmio oferecido pelo Projeto Paradiso, uma iniciativa do Instituto Olga Rabinovich. A bolsa, no valor de R﹩ 30 mil, é destinada ao roteirista do projeto em fase de desenvolvimento e inclui ainda mentorias, coaching para o produtor, workshop de audiência e participação em mercados internacionais.

 

O projeto premiado neste ano foi Entre Espelhos, com produção de Ailton Franco e roteiro de João Braga.

 

PRÊMIO DO PÚBLICO

 

O público da 45ª Mostra escolheu, entre os estrangeiros, Onoda – 10 Mil Noites na Selva , como melhor filme de ficção, e Summer of Soul (…ou, Quando a Revolução Não Pôde ser Televisionada) , como melhor documentário. Entre os brasileiros, O Melhor Lugar do Mundo É Agora foi o melhor documentário e Urubus recebeu o prêmio de melhor ficção.

 

A escolha do público é sempre feita por votação. A cada título assistido, o espectador vota em uma escala de 1 a 5, sempre ao final do filme. O resultado proporcional dos títulos com maiores pontuações determinou os vencedores.

 

PRÊMIO DA CRÍTICA

 

A imprensa especializada que cobre o evento e tradicionalmente confere o Prêmio da Crítica, também participou da premiação elegendo URUBUS como o melhor filme brasileiro e O Compromisso de Hasan como o melhor estrangeiro.

 

Dirigido por Cláudio Borelli, o longa Urubus foi escolhido pela crítica “porque conseguiu captar com suas lentes a urgência jovem que pode ser entendida como uma urgência do próprio cinema brasileiro nos dias de hoje. Se o outro diz que quanto mais alto maior a queda, neste filme, quanto mais alto o pixo, maior a letra de suas assinaturas, de seu rastro de arte, de vida e de resistência.”

 

Já o longa estrangeiro foi O Compromisso de Hasan, de Semih Kaplanoglu, escolha assim justificada pelo júri da crítica: “Nesta quadra da história do cinema, parece desnecessário elogiar a perfeição técnica e a beleza visual de um filme, mas a fotografia do filme turco O Compromisso De Hasan, de Semih Kaplanoglu, é das mais belas do cinema. Esse rigor formal é colocado a serviço de um drama forte, o que parece ser a luta de Davi e Golias. Um agricultor luta contra o Estado em defesa de suas terras. A história fica ainda mais complexa quando entra o conflito familiar”.

 

PRÊMIO DA ABRACCINE

 

A Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema também realiza tradicionalmente uma premiação que escolheu o melhor filme brasileiro entre os realizados por diretores estreantes. Neste ano, o eleito foi o longa A Felicidade das Coisas, de Thais Fujinagua.

 

“O filme foi escolhido pela tessitura do cotidiano e do político no retrato de uma família de classe média brasileira que se revela em gestos, afetos, faltas e frustrações, sobretudo a aflição materna em um cenário – e país – à beira do abismo”.

 

Júri – Prêmio Abraccine: Diego Benevides (CE), Lorenna Montenegro (PA), Raquel Gomes (MG)

 

PRÊMIO BRADA | Melhor Direção de Arte

 

O Prêmio BRADA de Direção de Arte ou Production Design como se credita a função internacionalmente, foi para o filme Clara Sola . Parabéns para Amparo Baeza, Agustin Moreaux e toda equipe que se dedicou a esse projeto.

 

Segue abaixo lista completa dos filmes que serão reprisados online na Mostra Play até 07/11:

 

Mostra Play acesse pelo site da Mostra: www.mostra.org .

18 KHZ (18 Kiloherz), de Farkhat Sharipov (Cazaquistão)

18½, de Dan Mirvish (EUA)

A Colheita do Trigo (The Wheat), de Yu-Qiang Tang (China)

A Garota e a Aranha (The Girl and the Spider), de Ramon Zurcher e Silvan Zurcher (Suíça)

Alta Demanda – A Vida e a Obra de Dani Karavan (High Maintenance – The Life and Work of Dani Karavan), de Barak Heymann (Israel, Polônia)

Amanhecer, de Dalibor Matanić (Croácia, Itália)

Anatomia, de Ola Jankowska (Polônia, França)

Ao Oriente (Al Oriente), de José María Avilés (Equador, Argentina)

Armugan (Armugán), de Jo Sol (Espanha)

As Bruxas do Oriente (The Witches of the Orient), de Julien Faraut (França)

Assim Como no Céu (As In Heaven), de Tea Lindeburg (Dinamarca)

Assim Queimamos (We Burn Like This), de Alana Waksman (EUA)

Atlântida (Atlantide), de Yuri Ancarani (Itália, França, EUA, Catar)

Atlas, de Niccolò Castelli (Suíça, Bélgica, Itália)

Ayar, de Floyd Russ (EUA)

Bantú Mama, de Ivan Herrera (República Dominicana)

Bi Aban (Without Aban), de Mehrdad Koroushnia (Irã)

Branco Puro (Pure White), de Necip Çaghan Özdemir (Turquia)

Brighton 4th, de Levan Koguashvili (Geórgia, Rússia, Bulgária, Mônaco, EUA)

Camila Sairá Esta Noite (Camila Saldrá Esta Noche), de Ines Barrionuevo (Argentina)

Coisas Verdadeiras (True Things), de Harry Wootliff (Reino Unido)

Dançarino Cubano (Cuban Dancer), de Roberto Salinas (Itália, Canadá, Chile)

Distrito Terminal (District Terminal), de Bardia Yadegari, Ehsan Mirhosseini (Irã, Alemanha)

Domando o Jardim (Taming the Garden), de Salomé Jashi (Suíça, Alemanha, Geórgia)

El Planeta, de Amalia Ulman (Espanha)

Eles Transportam a Morte (They Carry Death), de Helena Girón e Samuel M. Delgado (Espanha, França)

Entre Dois Crepúsculos (Between Two Downs), de Selman Nacar (Turquia, França, Romênia, Espanha)

Espírito Sagrado (The Sacred Spirit), de Chema García Ibarra (Espanha, França, Turquia)

Eu Era Um Homem Comum (I Was A Simple Man), de Christopher Makoto Yogi (EUA)

Eu Quero Falar sobre Duras (I Want To Talk About Duras), de Claire Simon (França)

Eu Vejo Você em Todos os Lugares (Forest: I See You Everywhere), de Bence Fliegauf (Hungria)

Fatores Humanos (Human Factors), de Ronny Trocker (Alemanha, Itália, Dinamarca)

Filho das Monarcas (Son of Monarchs), De Alexis Gambis (México, EUA)

Fim da Primavera (End of Spring) , de Jaicheng Zxai Dohutia (Índia, Alemanha)

Grand Cancan, de Mikhail Kosyrev-Nesterov (Rússia

Higiene Social (Hygiène Sociale), de Denis Côté (Canadá)

Holgut, de Liesbeth De Ceulaer (Bélgica)

I Comete – Um Verão Na Córsega (I Comete – A Corsican Summer), de Pascal Tagnati (França)

Ilhas (Islands), de Martin Edralin (Canadá

Imaculada (Imaculat), De Monica Stan, George Chiper-Lillemark (Romênia)

Intregalde (Întregalde), de Radu Muntean (Romênia)

Irmandade (Sisterhood), de Dina Duma (Macedõnia Do Norte, Kosovo, Montenegro)

Jane por Charlotte (Jane By Charlotte), de Charlotte Gainsbourg (França)

Laranjas Sangrentas (Oranges Sanguines), de Jean-Christophe Meurisse (França)

Lidando com a Morte (Dealing With Death), de Paul Sin Nam Rigter (Holanda)

Lua Azul (Blue Moon), de Alina Grigore (Romênia)

Luz Natural (Natural Light), de Dénes Nagy (Hungria, Letônia, França, Alemanha)

Madeira e Água (Wood and Water), de Jonas Bak (Alemanha, França)

Mateína – A Erva Perdida, de Joaquín Peñagaricano, Pablo Abdala (Uruguai, Brasil)

Minha Noite (My Night), de Antoinette Boulat (França)

Molodi, de Alexander Seliverstov (Rússia)

Momentum, de Edwin Charmillot (Suíça)

Mudança de Pensamento (Ichi Ichi Ichi), de Zora Rux (Alemanha)

Ninguém ao Norte (No One in the North) , de Zebin Zhang (China)

No Limite do Destino (Two on the Edge), de Yusuke Kitaguchi (Japão)

Nostromo, de Fisnik Maxville (Suíça)

O Atlas dos Pássaros (Bird Atlas), de Olmo Omerzu (República Tcheca)

O Cão que Não se Cala (The Dog who Wouldn’t Be Quiet), de Ana Katz (Argentina)

Cego que Não Queria Ver o Titanic (The Blind Man who Did Not Want To See Titanic), de Teemu Nikki (Finlândia)

O Leopardo das Neves (The Velvet Queen), de Marie Amiguet (França)

O Mar à Frente (The Sea Ahead), de Ely Dagher (França, Líbano, Bélgica)

O Perfeito David (El Perfecto David), de Felipe Gómez Aparicio (Argentina, Uruguai)

O Ruído dos Motores (The Noise of Engines), de Philippe Gregoire (Canadá)

Olga, de Elie Grappe (Suíça, Ucrânia, França)

Os Anos 20 (Roaring 20’s), de Elisabeth Vogler (França)

Os Cães Não Dormiram Ontem à Noite (The Dogs Didn’t Sleep Last Night), de Ramin Rasouli (Afeganistão, Irã)

Os Intranquilos (The Restless), de Joachim Lafosse (Bélgica, Luxemburgo, França)

Os Inventados (Los Inventados), de Leo Basilico, Nicolás Longinotti, Pablo Rodríguez Pandolfi (Argentina)

Os Últimos Sobreviventes (The Last Ones), de Veiko Õunpuu (Finlândia, Estônia)

Pedregulhos (Pebbles), de P.S. Vinothraj (Índia)

Pequena Palestina, Diário de um Cerco (Little Palestine, Diary of a Siege), de Abdallah Al-Khatib (Líbano, França, Catar)

Primeiro Encontro (First Date), de Manuel Crosby, Darren Knapp (EUA)

Quando uma Fazenda se Incendeia (When a Farm Goes Aflame), de Jide Tom Akinleminu (Alemanha)

Quem Fomos (Who We Were), de Marc Bauder (Alemanha)

Radiografia de uma Família (Radiograph Of A Family), de Firouzeh Khosrovani (Noruega, Irã, Suíça)

Regina, de Alessandro Grande (Itália)

Regresso a Reims (Fragmentos) (Retour à Reims (Fragments) ) , de Jean-Gabriel Périot (França)

Sexplicação (A Sexplanation), de Alex Liu (EUA)

Simon Chama, de Marta Sousa Ribeiro (Portugal)

Souad, de Ayten Amin (Egito, Tunísia, Alemanha)

Superiora (Superior), de Erin Vassilopoulos (EUA)

Três Irmãos (Brotherhood), de Francesco Montagner (República Tcheca, Itália):

Um Forte Clarão (Destello Bravío), de Ainhoa Rodríguez / ESPANHA

Vera Sonha com o Mar (Vera Dreams of the Sea), de Kaltrina Krasniqi (Kosovo, Macedônia do Norte, Albânia)

Yuni, de Kamila Andini (Indonésia, Singapura, França, Austrália)

 

PROGRAMA CLUBE DO FILME

No programa CLUBE DO FILME, deste sábado, pela Rádio Caruaru FM, com a apresentação dos radialistas EDSON SANTOS e MARY QUEIROZ, vai abordar o tema: “VEM AÍ 2º SESC GEEK”. Nos Estúdios da Caruaru FM, a presença de MEURY KELME, Arte-Recreadora do SESC – CARUARU, que vai falar sobre as expectativas do evento e a cosplay Daniela Tsubasa. O bate-papo começa às 16h. Então, prepare sua pipoca e seu refrigerante, se acomode na sua poltrona e curta o SEU PROGRAMA DE CINEMA!

 

Acompanhe pelas Redes Sociais:

– YOUTUBE: 

https://www.youtube.com/channel/UC1hCjOYAAsdUWKUeTwExIag

SITE: 

  • – caruarufm.com.br

FACEBOOK: 

  • facebook.com/edsonsantoscaruaru
    – RÁDIO CARUARU FM – 104,9

PROGRAMAÇÃO DOS CINEMAS DE CARUARU

SALA 02

– ETERNOS DUB (DISNEY) =ESTREIA=

AÇÃO – Dublado – 12 Anos – Duração: 155min.

SESSÕES DIARIAMENTE ÀS: 14h30 – 17h45 – 21h00

SALA 01

– VENOM TEMPO DE CARNIFICINA DUB (COLUMBIA)

AÇÃO – Dublado – 14 Anos – Duração: 95min.

SESSÕES DIARIAMENTE ÀS: 14H15 – 18H40

– A FAMÍLIA ADDAMS 2: PÉ NA ESTRADA DUB (WARNER BROS)

ANIMAÇÃO – Dublado – Livre – Duração: 93min.

SESSÃO ÚNICA DIARIAMENTE ÀS: 16h30

– DUNA DUB (WARNER BROS)

AVENTURA – Dublado – 14 Anos – Duração: 155min.

SESSÃO ÚNICA DIARIAMENTE ÀS: 20h45

SALA 02

– ETERNOS DUB (DISNEY) =ESTREIA=

AÇÃO – Dublado – 12 Anos – Duração: 155min.

SESSÕES DIARIAMENTE ÀS: 13h30 – 17h00 – 20h15

SALA 03

– ESPÍRITOS OBSCUROS DUB (DISNEY)

TERROR – Dublado – 16 Anos – Duração: 116min.

SESSÃO ÚNICA DIARIAMENTE ÀS: 16h00

– ETERNOS DUB (DISNEY) =ESTREIA=

AÇÃO – Dublado – 12 Anos – Duração: 155min.

SESSÕES DIARIAMENTE ÀS 18h20 – 21h30

– FREI DAMIÃO O SANTO DO NORDESTE NAC (ELO COMPANY) =ESTREIA=

– Nacional – Livre – Duração: 90min.

SESSÃO ÚNICA DIARIAMENTE ÀS: 16h15

– A FAMÍLIA ADDAMS 2: PÉ NA ESTRADA DUB (WARNER BROS)

ANIMAÇÃO – Dublado – Livre – Duração: 93min.

SESSÃO ÚNICA DIARIAMENTE ÀS: 14h00

SALA 04 (ATMOS)

– ETERNOS ATMOS DUB (DISNEY)

AÇÃO – Dublado – 12 Anos – Duração: 155min.

SESSÕES DIARIAMENTE ÀS: 14h30 – 17h45 – 21h00

 

FREI DAMIÃO: O SANTO DO NORDESTE

 

A vida do Frei Damião de Bozzano: sua juventude na Itália, sua participação na primeira guerra mundial, a atuação como missionário no Brasil desde os anos 30 até sua morte em 1997 e os relatos de milagres que o levaram a ser chamado popularmente de o “Santo do Nordeste”.

 

O objetivo do longa, através das imagens inéditas, entrevistas, depoimentos, testemunhos de milagres e reinterpretação de acontecimentos, é mostrar um ser humano que está acima da religião. O documentário não foca apenas nos seus adoradores, mas se preocupa em mostrar o legado do capuchinho também para aqueles que não o conhecem e desejam entender o significado dele para uma legião de fiéis.

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.