Notícias de Caruaru e Região

Reflexão da Semana: Parentela corpórea e Parentela Espiritual – Por Professor Kardecky Lima

Professor Kardecky Lima
Professor Kardecky Lima

A família é , ou pelo menos deveria ser a base de tudo. No entanto nem toda família é igual àquela do comercial de margarina. Neste núcleo basilar, temos espíritos amigos, inimigos, e indiferentes.

Por mais estruturada economicamente, e intelectualmente, se faltar um alicerce maior espiritual, e a presença da empatia, toda e qualquer família terá seus momentos de turbulências, independente da classe social.

É na família consanguínea que surgem as primeiras dificuldades na convivência entre os espíritos, com divergências que ás vezes se transformam em sérios problemas, entre espíritos inimigos do passado, que não conseguem a reconciliação.

Quando estão envolvidas questões de ordem material, como heranças, por exemplo, são aflorados os piores sentimentos, como egoísmo e orgulho, considerados as maiores chagas da Humanidade, no Livro dos Espíritos. Onde prevalecer o apego ao dinheiro, ao poder, e ao prazer, é porque o Amor está longe deste ambiente.

É por isso que existe a nossa família espiritual, formada por aquelas pessoas que sintonizam com a gente, com grande facilidade, onde a harmonia será a tônica da convivência, pois existe empatia, e sintonia, desejos e habilidades afins. Algumas vezes, pode ser que estejamos reencarnados junto á almas afins, nestes casos, vamos ter uma família unida, formada por espíritos amigos, que se gostam, e realmente se querem muito bem. Importante frisar que conseguimos perceber que existem na Terra estes núcleos familiares, no entanto não são muito fáceis de se encontrar. Geralmente quando há muita harmonia na família, a responsabilidade destes núcleos está em ser exemplo para os demais, e também ajudar outras almas fora deste núcleo, que vão juntar-se a ele.

De fato, podemos dizer que família é quem se preocupa com a gente, quem cuida da gente, são aqueles que podemos contar, nas horas boas e ruins, com ou sem dinheiro. Não adianta ser família só de foto, ou aparência. Em muitos casos, formamos novas famílias durante a vida, constituída por novas pessoas, que realmente estão dividindo o cotidiano com a gente, de maneira fraterna, sem julgamentos. Assim recomendou o próprio Jesus, quando deixou claro que seus familiares eram todos aqueles que fizessem a vontade do Pai.

Evidentemente que um dia todos nós nos perdoaremos, e seguiremos juntos, todos irmãos, todos uma só família universal. Entretanto não podemos misturar o ideal com o real, nem buscar uma falsa santificação, só porque desempenhamos algum papel religioso, ou espiritual.

Reflexão da Semana:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.