Notícias de Caruaru e Região

A era dos dobráveis – Por João Luis Gregorio e Silva

João Luís G. e Silva
João Luís G. e Silva

Desde 2020 que os novos smartphones estão ficando fininhos e com a capacidade de serem dobráveis. Porém, seus valores são absurdos para a maioria das pessoas terem acesso.

A partir de 2022 esse quadro deve mudar. Estamos entrando de vez na era dos dobráveis. Os aparelhos são de alta tecnologia tanto no requisito de processamento como em durabilidade.

Escolhemos alguns modelos para demonstrar essa mudança conceitual.

Muitos acreditam que um smartphone com telas maiores pode ser inconveniente para o transporte, além de também forçar muito os núcleos de processamento para gerarem informações nas “duas” telas. Acreditem, isso ficou no passado. Os modelos que vamos citar são os que prometem serem os populares no mundo já esse ano!

Google – O smartphone dobrável da Google (com 12 GB) aparece como a maior promessa de todos os modelos. O novo smartphone Google “Pipit” ainda não está no mercado, mas deverá começar suas vendas nesse primeiro semestre. Ele traz CPU “Google Tensor”. Essa CPU foi criticada por alguns engenheiros de testes. Isso ocorreu porque o processador tem uma performance menor do que a linha da Apple. Porém, a Google nunca fez questão de ter a performance acima da “maçã”.
Em alguns testes foi feita a seguinte análise:

Resultados do Pixel 6 Pro (Google Tensor) e do iPhone XS Max (A12 Bionic) no Geekbench.

Os resultados do Geekbench mostram que o Google Tensor obteve 1.012 pontos no teste single-core e 2.760 na avaliação multinúcleos. Enquanto isso, o A12 Bionic teve pontuações de 1.117 e 2.932 nos mesmos testes.

É evidente que o chip da Apple com três anos no mercado consegue superar com leve folga o novo produto do Google. O que pode ser um dado negativo para consumidores que se baseiam fielmente no benchmark para adquirir novos dispositivos. Além disso, análises recentes também indicam que o Google Tensor é mais lento do que o Snapdragon 888. Atualmente, o chip da Qualcomm está presente em quase todos os principais modelos de smartphones top de linha com sistema Android.

Para os especialistas, os resultados de benchmark são apenas um lado da história. Apesar de o chip não brilhar em performance bruta, o Google tem a vantagem do controle sobre o hardware e o software do celular combinado com as melhorias trazidas pelo Android 12.

Seguindo um caminho diferente, a Google pode ter escolhido sacrificar o desempenho para ter uma operação sem superaquecimento do chip e com maior vida útil da bateria. Em troca, a GPU do novo chip entrega desempenho superior aos principais carros-chefes do Android atualmente.

Para mais, a big tech deixa claro que o foco do Google Tensor é o processamento rápido de algoritmos de IA, machine learning e câmera avançada. Dessa forma, a empresa pode oferecer dispositivos realmente inteligentes aos usuários. Vamos falar agora da grande Motorola.

Motorola – Conforme revelado pelo executivo da Lenovo, Chen Jin, um novo dispositivo Razr já está sendo desenvolvido com um design mais interessante e melhor desempenho em relação ao último modelo. Provavelmente, será um processador mais potente do que o Snapdragon 765G usado no Razr original. “Acho que a inovação é sempre a força motriz da indústria. Espero que não estejamos babando, mas fizemos mais, incluindo preparar silenciosamente a terceira geração do telefone móvel com tela dobrável Razr: mais potência de processamento de um chip avançado, interface melhor e, claro, há uma aparência mais atmosférica”, revelou Chen.

Atualmente, o Galaxy Z Flip 3 é o dispositivo dobrável mais popular do mercado, contudo, a subsidiária da companhia chinesa quer mudar esse cenário. Inclusive, a Huawei também está tentando cativar os consumidores com o Huawei P50 Pocket, lançado na última semana.

Atualmente sua configuração vem com um processador Snapdragon 710, Octa-Core (Dual-core 2.2 GHz + Hexa-core 1.7 GHz). O Android é da versaõ 9. Tem a famosa porta USB-C e uma camêra de 16MP.

Honor – A grande chinesa Honor lançou nessa segunda-feira (10/01/2022) seu novo smartphone. Denominado de “Magic V”, o dispositivo combina novas tecnologias de movimentação dos displays, além de especificações técnicas top de linha para atrair o público mais exigente.

O Magic V é o primeiro celular dobrável do mundo com o atual processador de elite da Qualcomm, o Snapdragon 8 Gen 1. Ele apresenta ainda 12 GB de RAM e duas opções de armazenamento interno — 256 GB e 512 GB. A tela aberta tem 7,9″ e uma resolução de 2272 x 1984 pixels, além de taxa de atualização de 90 Hz e certificação de qualidade gráfica IMAX Enhanced. Fechado, o dispositivo apresenta um display externo OLED de 6,45″ de 120 Hz, com resolução Full HD e aspecto 21.3:9.

O Honor Magic V é um produto com poucos concorrentes em termos de multimídia graças à câmera de 50 megapixels que permite ao Honor Magic V tirar fotos fantásticas com uma resolução de 8192×6144 pixels e gravar vídeos em 4K a espantosa resolução de 3840×2160 pixels. Muito fino, 6.7 milímetros, o que torna o Honor Magic V realmente interessante.

Segundo a fabricante, a dobradiça do modelo no formato “gota de água” permite que o dispositivo seja mais fino que a concorrência. Além disso, ela permite que o design seja simétrico, sem diferenças visuais entre as duas metades do aparelho. Em termos de fotografia, a câmera de selfie tem 42 MP e vários modos de captura. O esquema traseiro possui quatro sensores, com destaque para a lente principal de 50 MP com recursos de Inteligência Artificial.

A bateria é de 4.750 mAh e, de acordo com a marca, a recarga atinge 50% do total em apenas 15 minutos. Outro destaque vai para o sistema operacional: como ela foi vendida pela Huawei no final de 2020, a fabricante recebeu novamente a licença para usar o ecossistema Android a partir de uma interface personalizada. As vendas começam no dia 18 de janeiro por 9.999 renmimbi (cerca de R$ 8,9 mil em conversão direta de moeda) na versão com 12 GB de RAM e 256 GB de espaço interno e 10.999 renmimbi (ou R$ 9,7 mil) pela variante com 512 GB de armazenamento.

Assim, a fábrica anuncia esse smartphone como sendo revolucionário.

O Honor Magic V é um Android ótimo para fotos, que pode satisfazer até o mais exigente dos usuários. Ainda considero que seu ponto mais forte é a memória interna de 512 GB mas sem a possibilidade de expansão.

Huawei – O “P50 Pocket” é o novo smartphone dobrável da marca. A Huawei apresentou seu novo aparelho dobrável em dezembro de 2021. Após anos investindo no Mate Fold, a nova aposta da empresa é o P50 Pocket, que vem para rivalizar com celulares como o Galaxy Z Flip 3, da Samsung. Ao invés de utilizar o display flexível para aumentar de tamanho, o P50 Pocket aplica a tecnologia para uma dobra vertical, que reduz o tamanho do celular pela metade. Para bater de frente com o produto da Samsung, a empresa utilizou no dispositivo um design mais fino que o Flip 3, bem como um visual mais rebuscado.

Além de apresentar uma textura diferenciada em sua traseira, o P50 Pocket vem com uma tela redonda abaixo do módulo de câmeras principais. O pequeno display, que tem 1 polegada, pode ser utilizado para visualizar informações sem abrir o celular e conta com suporte para diversos widgets.A tela OLED do celular dobrável conta com 6,9 polegadas, com taxa de atualização de 120 Hz, alcançando amostragem de 300 Hz e resolução Full HD. A câmera frontal está presente em um buraco na tela e tem 10,7 MP. O conjunto principal de fotos conta com três sensores organizados em um módulo circular, que também inclui o flash. Enquanto a câmera primária vem com 40 MP, a solução secundária é um sensor ultra-wide de 13 MP, com um sensor de 32 MP fechando o grupo.

Em seu interior, o Huawei P50 Pocket conta com chip Snapdragon 888 em sua versão 4G — a empresa não pode usar 5G da Qualcomm. O processador vem acompanhado de até 12 GB de RAM, 512 GB de armazenamento e 4000 mAh de bateria. O sistema operacional também apresenta limitações: como a Huawei está proibida de usar os serviços do Google em seus smartphones, a empresa equipou o dobrável com o HarmonyOS, seu sistema operacional próprio, com a suite de apps Huawei Mobile Services.

O Huawei P50 Pocket já está disponível para compra na China, mas a empresa não revelou planos de lançar o produto fora do país. Os preços do aparelho começam em CNY 8.988, cerca de R$ 7.951, na versão com 8 GB de RAM e 256 GB de armazenamento. A edição do celular com 12 GB de RAM e 512 GB de memória interna custa CNY 10.988, aproximadamente R$ 9.720 em conversão direta.

Enfim, estamos no ano da revolução dos dobráveis. Vamos aguardar o que deve entrar no Brasil ainda nesse semestre. Desde já, o grande diferencial está na produção desses modelos no nosso país em poucos meses, o que, permitirá uma queda rápida dos preços.

fundo logo João Luís
.
1 comentário
  1. Celma borba Diz

    Adorei o texto sobre os dobráveis. Fácil e explicativo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.